WhatsApp Payments. Mark Zuckerberg confirma lançamento em 2020

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no pinterest
Pinterest
WhatsApp Payments será lançado em 2020, segundo Zuckerberg
TEMPO ESTIMADO DE LEITURA: 4 MINUTOS

Neste artigo você irá ler:

WhatsApp Payments: As questões e os regulamentos de conformidade de dados mantiveram o lançamento do WhatsApp Pay suspenso por algum tempo, apesar de um teste bem-sucedido do serviço de pagamentos com um milhão de usuários no país em 2018. O governo indiano e o RBI manifestaram preocupação com alguns dos recursos do WhatsApp no cumprimento dos regulamentos.

Apesar de um atraso no lançamento do WhatsApp Payments na Índia devido a problemas de conformidade de dados, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, disse que o recurso de pagamentos ponto a ponto baseado em UPI será lançado em vários países nos próximos seis meses.

As questões e os regulamentos de conformidade de dados mantiveram o lançamento do WhatsApp Pay suspenso por um bom tempo, apesar de um teste bem-sucedido do serviço de pagamentos com um milhão de usuários no país em 2018.

“Conseguimos aprovação para testar isso com um milhão de pessoas na Índia em 2018. E quando muitas pessoas continuavam usando semana após semana, sabíamos que seria grande quando chegarmos ao lançamento”, afirmou Zuckerberg durante o anúncio de lucros da empresa na quinta-feira.

“Estou realmente empolgado com isso, e espero que isso comece a ser implementado em vários países e que possamos fazer muito progresso aqui nos próximos seis meses”, acrescentou.

WhatsApp Payments tem lançamento confirmado para 2020

Além do WhatsApp Payments, a empresa está trabalhando em vários outros esforços para ajudar a facilitar mais comércio do Facebook Marketplace para o Instagram Shopping e seu trabalho no Facebook Pay ou na moeda digital Libra. Com isso você consegue vislumbrar o potencial dessas soluções para o ecommerce?

“Estamos adotando várias abordagens diferentes aqui, que vão desde pessoas que compram e vendem umas às outras diretamente, até empresas que montam fachadas de lojas, pessoas que se envolvem com empresas diretamente por meio de mensagens e várias coisas sobre pagamentos que variam de existentes – usando as existentes. sistemas nacionais como a UPI da Índia para criar novos sistemas globais “, disse o CEO do Facebook, saudando o sistema UPI novamente.

O serviço WhatsApp Payments peer-to-peer, baseado em UPI, alcançará mais de 400 milhões de usuários – especialmente as pequenas e médias empresas (SMBs) – para impulsionar a inclusão digital no país.

“Ter pequenas empresas bem-sucedidas não é a única chave para criar amplo crescimento econômico em que todos possam se sustentar, mas também é importante manter comunidades saudáveis, uma vez que as pequenas empresas costumam ser onde as pessoas se reúnem”, disse Zuckerberg.

O Governo indiano e o Reserve Bank of India (RBI) expressaram preocupação com alguns dos recursos do WhatsApp em cumprir com os regulamentos.

“Nos pagamentos, estamos focados em lugares diferentes, com produtos diferentes. Para coisas como o Instagram e até muito do que estamos fazendo no Facebook, são países muito mais desenvolvidos. Para o WhatsApp, é o maior país do WhatsApp. Então países como Índia e México e Brasil e Indonésia formarão uma grande parte da comunidade no WhatsApp “, elaborou.

Nas eleições, Zuckerberg disse que estão muito focados na integridade das eleições.

“Estávamos atrasados ​​em 2016, mas depois de trabalhar para proteger as eleições em países do mundo inteiro da UE – na UE, na Índia, no México e nos EUA nos últimos anos, acreditamos que nossos sistemas estão agora mais avançados do que qualquer outro. outras empresas “, disse ele aos analistas.

“Ainda haverá um debate sobre que tipo de discurso político deve ser permitido, especialmente com o aquecimento das eleições de 2020. Mas, por qualquer medida objetiva, nossos esforços na integridade das eleições fizeram muito progresso”, observou ele.

Zuckerberg disse que os usuários ativos diários atingiram 1,7 bilhão, 9% a mais que no ano passado, liderados pelo crescimento na Índia, Indonésia e Filipinas.

“As DAUs representaram aproximadamente 66% dos 2,5 bilhões de usuários ativos mensais em dezembro. As MAUs cresceram 178 milhões ou 8% em relação ao ano passado. Planejamos continuar divulgando as métricas da comunidade somente no Facebook até o final de 2020”, acrescentou.

Integração

Durante conversa com analistas financeiros nesta quarta-feira, 29, Zuckerberg explicou que a companhia vem investindo bastante em infraestrutura e modelo de negócios para fazer a integração dos apps de mensagens. Questionado sobre quando terá uma integração definitiva, o CEO do Facebook explicou que, em teoria, os apps “já são integrados”, porém, isso acontece apenas no backend.

“Em termos de integração, estamos bem integrados hoje, mas isso acontece debaixo da superfície. Mas imaginamos que, nos próximos anos, isso chegará aos usuários. Nós queremos ver funcionalidades que deram certo no Instagram Direct serem incorporadas no WhatsApp e Facebook Messenger (e vice-versa)”, disse. “Por outro lado, construímos algumas estruturas técnicas que não são integradas, e agora precisamos fazer um trabalho dobrado para uni-las. Um exemplo são as ligações: tem uma para o Facebook Messenger e outra para o WhatsApp”, completou.

Evolução

Outro tema debatido na apresentação do relatório financeiro foi a evolução da plataforma de mensagens. O CEO disse que a sua empresa se prepara para sair de um formato de apenas troca de texto e adicionar mais funções de interação entre usuários e companhias. Para isso, o Facebook trabalha com frentes como interoperabilidade e criptografia em todos os seus apps. Contudo, Zuckerberg enfatizou que nem todas essas novidades serão lançadas neste ano.

Marca

Zuckerberg descartou a possibilidade de mudança de marcas. Ou seja, ele não pretende eliminar as logomarcas do Instagram e WhatsApp em favor das marcas do Facebook. Vale lembrar, a discussão em torno desta mudança ganhou força na web após a saída dos líderes do Instagram e WhatsApp da companhia nos últimos anos, além da adoção de “by Facebook” no nome dos dois apps.

Leis de dados

Outro ponto abordado foi um possível impacto nas receitas do Facebook com as leis de proteção de dados, como a europeia GDPR. O CFO do Facebook, David Wehner, acredita que as leis podem influenciar nos ganhos da empresa, uma vez que os produtos deverão ser adaptados. Questionado se trouxe impacto para a empresa, Wheeler disse que não, mas que espera que isso aconteça no futuro.

Compartilhe este artigo nas redes sociais

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no pinterest
Pinterest

Assine nossa Newsletter

Sobre o autor deste artigo

Rodrigo Henrik

Rodrigo Henrik

Criador e CEO do ECOMMERCE MASTERS, maior Comunidade de Ecommerce do Brasil, no Facebook, com mais de 31.800 mil membros ativos. Ajuda empresas locais a ter mais visibilidade, atrair mais clientes e aumentar as vendas.

Sobre o autor deste artigo

Rodrigo Henrik

Rodrigo Henrik

Criador e CEO do ECOMMERCE MASTERS, maior Comunidade de Ecommerce do Brasil, no Facebook, com mais de 31.800 mil membros ativos. Ajuda empresas locais a ter mais visibilidade, atrair mais clientes e aumentar as vendas.

Comente este artigo!